Fluxo de Caixa: o que é e como fazer

Fluxo de Caixa é uma das ferramentas mais importantes quando o assunto é controle e gestão financeira empresarial. E entender o porquê disso é muito simples. Confira o artigo e deixe seu comentário!

O que é Fluxo de Caixa?

Em termos bem simples, Fluxo de Caixa é uma ferramenta que tem como propósito fornecer um retrato bem estruturado das entradas e saídas da conta/caixa da sua empresa, ou seja, trata-se de um controle financeiro que nos apresenta a disponibilidade financeira real que o negócio possui representando a relação entre as receitas e as despesas do negócio ao longo do tempo.

fluxo_de_caixa

Por que devo utilizar o Fluxo de Caixa?

Considerando que o principal objetivo de um Fluxo de Caixa é nos ajudar a manter o controle sobre as entradas e saídas de recursos financeiros do caixa/conta da empresa mantendo todos os dados referentes a contas a pagar e receber sempre em ordem, sua utilização no dia a dia do negócio acaba sendo extremamente relevante e obrigatória. Afinal de contas, quando as finanças do seu negócio estão muito bem organizadas isso acaba por facilitar sua própria capacidade de analisar e compreender qual é a real situação financeira da sua empresa, ou seja, você passa a poder tomar melhores decisões financeiras pura e simplesmente porque sabe qual é a disponibilidade presente e futura de recursos financeiros.

Como fazer o Fluxo de Caixa?

Para início de conversa, é importante considerar que o Fluxo de Caixa utiliza como regime base para sua atualização e registro financeiro o Regime de Caixa. Então vamos entender primeiro o que seria esse tal Regime de Caixa para aí sim verificar como devemos estruturar tal controle…

O que é Regime de Caixa?

Regime de Caixa nada mais é do que o regime utilizado para atualizar corretamente o seu controle financeiro de Fluxo de Caixa. Neste regime, devemos levar em consideração o momento em que o dinheiro de determinada venda ou de determinado pagamento efetivamente sairá do caixa/conta da empresa.

Para ficar bem clara essa questão, confira o breve exemplo a seguir…

regime_de_caixa

Regime de Caixa na prática

Digamos que uma empresa qualquer tenha efetuado uma venda no cartão de crédito no valor de R$300,00 no mês de Maio. Nesse caso, a atualização do controle de Fluxo de Caixa deve ser feita da seguinte maneira:

Entradas Junho = R$100,00
Entradas Julho = R$100,00
Entradas Agosto = R$100,00

Mas por que os registros de cada parcela devem aparecer 30, 60 e 90 dias depois da venda ter sido de fato realizada? A resposta é muito simples…

Como o Fluxo de Caixa utiliza o Regime de Caixa e o Regime de Caixa considera o momento em que o dinheiro efetivamente estará disponível no caixa/conta da empresa, por se tratar de uma venda no cartão de crédito e parcelada em 3 vezes, os recursos de cada uma das 3 parcelas somente estarão disponíveis (sem contar com antecipação de recebíveis, claro) nos meses de Junho, Julho e Agosto respectivamente. E é por isso que no controle de Fluxo de Caixa essa receita deve ser registrada nos meses de Junho, Julho e Agosto. É diferente do que ocorre no Regime de Competência que é o regime base da Demonstração de Resultados do Exercício. Confira nosso post DRE: o que é e como fazer para entender melhor. 😉

estruturar fluxo de caixa

Voltando para a estruturação do Fluxo de Caixa…

Compreendido o conceito de Regime de Caixa podemos agora avançar para a estruturação desse importante controle financeiro empresarial. E o próximo passo, naturalmente, é entender como se constrói uma visão macro que facilitará sua vida na hora de administrar as finanças da empresa.

Estrutura base de um Fluxo de Caixa

Para que um controle de Fluxo de Caixa seja bem estruturado é necessário construir uma planilha (ou utilizar um software financeiro) dividindo-o em alguns blocos conforme o modelo abaixo:

[Saldo Final do Mês Anterior]

[Saldo Real do Mês Atual]

[Total de Entradas]
[Total de Saídas]

[Saldo Final do Mês Atual]

Confira abaixo um modelo de Fluxo de Caixa com os blocos mencionados acima:

modelo fluxo de caixa

Agora vamos verificar o que significa cada um dos blocos listados acima e como eles se relacionam…

Saldo Final do Mês Anterior

O [Saldo Final do Mês Anterior] é exatamente isso que o nome diz, ou seja, o quanto sobrou no caixa/conta da empresa no mês passado. Esse saldo final é levado para o mês seguinte, seja ele positivo ou negativo, e impactará o nosso próximo item: o [Saldo Real do Mês Atual].

Saldo Real do Mês Atual

Se no mês anterior a empresa A fechou no negativo, digamos, em R$5.000,00, então no [Saldo Real do Mês Atual] essa empresa já começa o mês no negativo (considerando claro que nenhuma venda foi realizada ainda). Por outro lado, se esta mesma empresa fechar o mês anterior no positivo, digamos, com R$10.000,00, então no [Saldo Real do Mês Atual] a empresa já começa o mês no positivo. Esse saldo, negativo ou positivo, será somado ao [Total de Entradas] do mês corrente para se chegar ao [Saldo Real do Mês Atual]. Então de forma resumida:

[Saldo Real do Mês Atual] = [Saldo Final do Mês Anterior] + [Total de Entradas]

Saldo Final do Mês Atual

O [Saldo Final do Mês Atual] nada mais é do que o resultado da conta [Saldo Real do Mês Atual] – [Total de Saída], ou seja, você pegará o [Saldo Final do Mês Anterior] e somará ao [Total de Entradas] para encontrar o [Saldo Real do Mês Atual]. Depois disso subtrairá o mesmo do [Total de Saídas] que a empresa teve no mês para chegar ao [Saldo Final do Mês Atual]. Essa [Saldo Final do Mês Atual] será o [Saldo Final do Mês Anterior] no mês seguinte. Confuso? Então vou dar um exemplo numérico para simplificar…

Digamos que no fechamento do mês de Junho a empresa A teve um [Saldo Final do Mês Atual] na ordem de R$ 15.000,00 depois de fazer as contas indicadas acima. Isso significa dizer então que em Julho quando formos verificar o [Saldo Final do Mês Anterior] que no caso foi Junho, o valor de R$15.000,00 é o que será utilizado. Você apenas transfere o [Saldo Final do Mês Atual] para o [Saldo Final do Mês Anterior]. E isso meramente porque você mudou de um mês para o outro. Foi de Junho para Julho no exemplo. O resultado final de Junho vira o [Saldo Final do Mês Anterior] em Julho.

Fluxo de Caixa: considerações finais

O Fluxo de Caixa é uma ferramenta extremamente valiosa para todo e qualquer negócio. É preciso utilizá-lo no dia a dia da operação aplicando o conceito do Regime de Caixa para mantê-lo corretamente atualizado tornando possível ter uma visão macro da saúde financeira da empresa e da disponibilidade de recursos que se tem ao longo do tempo para, a partir daí, realizar as análises necessárias e tomar as decisões financeiras que darão suporte para o desenvolvimento do negócio.

Próximos passos…

Você gostaria de saber se suas práticas administrativo-financeiras estão adequadas?

Na Negocioteca você pode realizar um diagnóstico financeiro empresarial e receber um direcionamento inicial de especialistas para potencializar seu planejamento financeiro empresarial. Confira e cadastre-se para conhecer nosso trabalho 🙂

1 comentário sobre “Fluxo de Caixa: o que é e como fazer”

  1. Pingback: DRE: o que é e como fazer - Negocioteca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *